Notícias



A CAMINHO, EL NIÑO TRAZ ALÍVIO AO SUL


23/04/2014


 A chegada do El Niño, fenômeno que promete chuvas acima da média e bem distribuídas para o Sul do Brasil, o Paraguai e a Argentina, é dada como certa pela meteorologia. Sua influência na agricultura deve ocorrer daqui dois meses, quando o trigo estiver em fase de colheita e quando o plantio de grãos de verão estiver começando. A expectativa dos agricultores é que as precipitações acima do normal afastem o risco de veranicos como os registrados entre dezembro de 2013 e fevereiro deste ano, que provocaram quebra de quase 2 milhões de toneladas de grãos no Sul brasileiro.

   

Por outro lado, pode haver redução das chuvas no Centro-Norte e no Nordeste do país. Na última semana, a Organização Meteorológica Mundial (WMO, na sigla em inglês) confirmou que deve haver mudanças nos padrões climáticos globais entre junho e agosto, quando a safra de milho de inverno estará definida. Atualmente, apesar do quadro de neutralidade climática anunciar chuvas abaixo do normal, o cereal vem recebendo boa dose de umidade. O maior risco é a ocorrência de geadas.

    

A WMO revelou que dois terços dos prognósticos estudados indicam que o limite para a instalação do El Niño é agosto. "É muito difícil que ele não se confirme, mas ainda estamos numa fase de neutralidade", ressalta Luiz Renato Lazinski, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Apesar do risco que a chuva representa para o trigo, o El Niño é tradicionalmente bem recebido pelos agricultores brasileiros. Embora a relação do fenômeno com os índices médios de produtividade das lavouras seja questionável, fato é que os rendimentos são maiores em anos com chuvas um pouco acima das médias. Além de água suficiente para as plantas, são esperados dias mais quentes. Chuva e sol é uma combinação perfeita para a soja. Nos ciclos mais recentes sob influência do El Niño, a média de produtividade da oleaginosa ficou acima dos 3 mil quilos em estados como Paraná e Mato Grosso. "Por outro lado, aumenta o risco de seca para regiões agrícolas do Nordeste como Oeste da Bahia", lembra Lazinski.

     

O mesmo ocorre com os produtores rurais australianos, que também sofreram quebras de safra por causa de estiagem em anos de El Niño. Com o fenômeno a caminho, os produtores norte-americanos devem ter um ano de clima misto. As plantações de 2014/15 do Hemisfério Norte terão influência tanto da neutralidade climática como do El Niño, o que não é uma notícia ruim. "Por enquanto, não vemos nenhum problema com a safra dos Estados Unidos, exceto esse atraso na largada do plantio de milho, por conta do frio", diz Lazinski.

      


Fonte: GAZETA DO POVO - CURITIBA - (Paraná), 22/4/2014

 
           





Veja mais